Como economizar dinheiro quando se ganha pouco

Mudar completamente sua situação financeira, economizar dinheiro e investir. Parece um sonho muito distante? Não é!

Muitos acham que começar um negócio ou aplicar em investimentos são coisas para quem ganha alguns montes de salários mínimos no mês. Porém, a verdade é que mesmo quem ganha pouco pode transformar sua vida financeira e começar a investir também.

O começo desse processo, claro, não é fácil, exige alguns cortes e sacrifícios. Mas é muito proveitoso a longo prazo, e pode garantir a possibilidade de conseguir até comprar a casa própria à vista.

Quer entender como isso é possível? Confira nossas dicas e comece já a economizar dinheiro para investir!

 GRATUITO - Conheça as Corretoras de Valores ideais para Você Investir em Ações e Tesouro Direto

Você receberá um e-mail com os dados de acesso. 

Conheça bem seus gastos e ganhos

Todos sabem que pagar todas as contas e manter uma vida confortável pode ser um desafio, quando se ganha pouco ou apenas um salário mínimo. E  a coisa fica ainda mais complicada quando você precisa sustentar uma família.

Em casos assim, é muito comum que você comece a gastar mais do que ganha, comece a entrar em dívidas com cartões de crédito e passe por muitos meses com o orçamento extremamente apertado.

Qual o segredo, então, para mesmo essas famílias com um orçamento pequeno começarem a economizar dinheiro e investir?

Seu primeiro passo, então, é entender a fundo seus ganhos e gastos, para só então pensar em medidas como cortes nos gastos.

Liste suas contas principais

Mesmo famílias que ganham muito podem ter problemas com o controle orçamentário. Isso acontece porque elas não entendem os próprios ganhos e gastos, não sabem nem mesmo o tamanho da dívida que possuem.

Elas pecam em um ponto: não anotam suas contas. Se você quer fazer um diagnóstico eficiente do orçamento, então, precisa começar a listar os principais gastos da família.

Em uma folha de papel, anote não apenas os gastos com aluguel, mas também a conta de luz e de água, e até os gastos com plano de saúde e odontológico.

Coloque no papel os gastos com alimentação

Outro gasto crucial, e que você precisa colocar na lista, é quanto a alimentação. Anote os custos com as compras de supermercado e procure analisar também o que você gasta com almoço no trabalho.

Tendo tudo isso no papel, você tem uma estimativa básica do que gasta por mês, mas vai perceber que ela não condiz totalmente com a realidade.

É possível que, juntando todos esses gastos fixos, você ainda tenha dinheiro o suficiente, de acordo com o orçamento… Então, para onde vai o resto do dinheiro?

É isso que vamos descobrir no próximo passo. Parar seu orçamento apenas nos custos básicos é um erro grave, e não te ajuda muito na hora de se planejar para economizar e investir.

Tenha cuidado com os gastos variáveis

Sabe aquele cafezinho de R$ 1 que você compra todo dia no trabalho? E o lanche que quase sempre faz no fim da tarde? Pode não parecer, mas esses gastos “pequenos” – mas recorrentes, são seus principais inimigos na hora de economizar dinheiro.

Isso porque é muito comum que a gente não tenha um controle de gastos assim durante um mês. Afinal, R$ 1 a mais, R$ 1 a menos, não parece fazer grande diferença. Mas faz!

O problema está no fato de que esses gastos pequenos costumam acontecer diversas vezes no dia e no mês. Facilmente, o R$ 1 se transforma em R$ 100, e isso apenas com pequenos lanches e besteiras que compramos no trabalho e na rua.

Agora, para ter uma visão mais completa de seu orçamento, comece seu mês anotando tudo que gastar durante o dia. Pode ser uma compra pequena na padaria ou o simples café do trabalho, mas anote.

Nossa sugestão é que você faça isso em um pequeno caderno ou bloco de anotações. Assim, você poderá levar para qualquer lugar e não terá trabalho na hora de manter as informações atualizadas.

Com esse controle, no fim do mês você verá o real tamanho dos seus gastos variáveis.

Corte os gastos desnecessários

Depois de tudo isso, que chamamos de diagnóstico, está na hora de começar o trabalho de verdade. A parte mais dolorosa de economizar dinheiro, mas, também, a mais necessária!

Se você está gastando mais do que ganha e entrando em dívidas é porque, naturalmente, precisa cortar o que não é tão necessário assim.

Comece pelos gastos variáveis. Sim, estamos falando dos itens do tópico anterior. Diminua a quantidade do café que compra no trabalho, e passe a levar o lanche de casa para o escritório.

Claro, comprar lanche ou café um dia ou outro não vai fazer mal, mas procure fazer com que a frequência seja a menor possível.

Reduza, também, os seus gastos com ida ao shopping, cinema ou redes de fast food. Apesar do lazer ser uma parte importante de nossas vidas, esses lugares pesam bastante no bolso no fim do mês.

Porém, não se preocupe. Não precisa cortar completamente tudo o que você mais gosta. Mas se você percebeu que ia ao cinema 3 vezes no mês, reduza para 1 ou 2 vezes. Além disso, é possível ir no shopping passear e gastar o mínimo possível.

Trabalhe seu auto-controle e passe a optar também por formas de lazer mais baratas. É possível que, por exemplo, você descubra cinemas menores e mais baratos do que os grandes cinemas dos shoppings, por exemplo.

Nesse processo, é possível que você comece a economizar até R$ 100 ou R$ 150 no mês! Para quem ganha pouco, esse já é um ótimo dinheiro, e pode ser sua saída para pagar o início das dívidas.

Controle melhor suas idas ao mercado

A ida ao mercado também pode ser um grande inimigo para quem pensa em economizar dinheiro. Se você quer transformar sua vida financeira e passar a investir, mesmo ganhando pouco, está na hora de mudar muitos dos seus hábitos no mercado.

Primeiramente, não vá fazer compras sem ter uma lista detalhada do que você precisa comprar. Sem uma lista, você pode comprar coisas que já tem em casa, e gastar dinheiro a toa.

O importante nesse processo é que você se atenha apenas à lista. Faça-a bem completa, envolvendo coisas que você sabe que precisa durante o mês; mas não saia dela.

É comum que a gente compre mais uns sucos, cervejas e doces no mercado. Coisas que não precisamos, mas saem caras no fim das contas.

E, lembre-se: o mercado está todo estruturado para te convencer a comprar mais. É possível que você encontre sugestões de panelas na seção de comida, ou temperos caros também. Se der vontade de comprar, pense: “Eu preciso mesmo disso agora?”.

Reveja os gastos fixos

Em última instância, se cortar os gastos variáveis e controlar melhor suas compras não é o suficiente, é necessário começar a rever seus gastos fixos.

Conta de internet, conta de luz e de água; todos eles podem diminuir, de acordo com o seu consumo. Você pode aplicar medidas que reduzem o consumo de energia e água, e solicitar para a provedora de internet a redução do seu plano.

Além disso, pense na possibilidade de se mudar para uma casa com o aluguel mais barato. Porém, tenha cuidado! Nem sempre vale a pena mudar de casa e ir morar em um lugar mais longe do trabalho ou da escola das crianças, por exemplo.

O gasto que você teria com transporte pode ser ainda mais desvantajoso do que um aluguel um pouco mais alto. Então avalie tudo com cuidado!

Tem dívidas? Hora de planejar o pagamento!

Se você tem dívidas, o corte nos seus gastos durante o mês é apenas o primeiro passo para começar a economizar dinheiro. Antes de investir, você precisa se livrar completamente das dívidas!

Está na hora, então, de você fazer exatamente o que fez quando pensou no seu orçamento. Anotar todas as dívidas no papel, e ver até onde elas vão é o passo mais importante para começar a liquidá-las.

Leve em consideração, também, os juros dos próximos meses. Principalmente se sua dívida é no cartão de crédito ou com empréstimos. Dívidas assim costumam dobrar em pouco tempo, então elas devem ser sua prioridade!

Não fuja das dívidas, mesmo ganhando pouco

Pode ser que economizar 1 ou 2 meses não seja o bastante para pagar tudo que você deve. Ganhando pouco, liquidar dívidas grandes é ainda mais difícil.

No entanto, não adie. Não é recomendado que você espere “juntar dinheiro” para pagar todas as dívidas de vez. Como dissemos, muitas delas podem duplicar ou triplicar em um período curto de tempo.

Além disso, é muito difícil economizar dinheiro e investir quando se está com o nome sujo na praça. Se você pensa em montar o próprio negócio, adquirir a casa própria ou comprar um carro novo, mesmo, pode encontrar obstáculos enormes por não ter o nome limpo.

Então, agora é o melhor momento para encarar suas dívidas de frente e começar a pagá-las, mesmo que seja aos poucos.

Faça um plano de ação para pagar as dívidas

E para conseguir liquidar as dívidas você precisa de determinação, foco e um plano. Com um plano, você consegue enxergar melhor quando todas as dívidas serão pagas, e pode até entender melhor o quanto ela pode evoluir se você não pagá-la nos próximos meses.

O ideal é que você leve em consideração o seu orçamento. Se você está cortando gastos e consegue economizar R$ 200 no mês, use todo esse dinheiro para pagar as dívidas.

E faça o seu plano pensando nessa meta de R$ 200 por mês. Propondo uma meta, você consegue manter um controle maior da eliminação da dívida e facilita na hora de ver quanto ela estará completamente paga.

Tente fazer acordos

Se você não ganha muito mas precisa economizar dinheiro para pagar dívidas, é bom que entre em contato com as empresas para as quais deve.

É possível que você consiga parcelar suas dívidas o suficiente para pagá-las aos poucos durante o mês. Dê prioridade ao cartão de crédito e empréstimo, mas procure não deixar nenhuma de lado.

Se você está conseguindo economizar R$ 200 por mês, por exemplo, procure dividir esse valor pelas principais dívidas. Pague o que tiver os maiores juros e também priorize aquelas que são menores e mais rápidas de pagar.

E, claro, faça acordos com parcelas que caibam no bolso. Não se meta em dívidas maiores tentando pagar dívidas anteriores!

Caso não tenha opções, pegue um empréstimo

Os empréstimos precisam ser evitados a todo custo, mas podem ser uma ajuda na hora de renegociar dívidas e parcelá-las em parcelas que você consiga pagar.

Porém, tenha muito cuidado. Os juros dos empréstimos são os maiores do mercado, e você pode acabar dando um tiro no pé: ao invés de liquidar totalmente as dívidas, se meter em mais uma bola de neve.

O ideal é que você procure os empréstimos com as menores taxas de juros e opções de pagamento. Além disso, só pegue emprestado o valor suficiente para pagar as dívidas; em um momento assim, não é uma boa ideia usar parte do empréstimo para investimentos.

Investir dinheiro

Dívidas quitadas, está na hora de investir

Depois de se livrar das dívidas, não pense que pode parar de economizar dinheiro! É nessa hora que você deve fazer a mágica acontecer e transformar sua vida financeira.

Nesse momento, mantenha o seu hábito de economizar a mesma quantia durante todos os meses. Se quiser e conseguir, pode aumentar o valor economizado, ou até reduzi-lo um pouco, caso queira viver com um pouco mais de conforto.

Só deixar o dinheiro em sua conta-corrente, no entanto, pode ser um grande erro. É bem possível que você acabe gastando com coisas desnecessárias e quebre seu hábito de economizar dinheiro.

Por isso, vamos te dar algumas dicas de investimentos que podem funcionar muito bem no curto, médio e longo prazo.

Poupança

A poupança com certeza é um dos investimentos preferidos dos brasileiros. E não a toa. É um investimento seguro, você não sofre com taxas e pode começar a recolher ganhos com juros de poupança daqui a alguns anos.

Apesar de ser um bom investimento a longo prazo, as poupanças não dão grandes retornos. Economizando o valor de R$ 200 por mês, por exemplo, você só começará a ter algum tipo de retorno significativo daqui a 20 anos.

Se você está atrás de um investimento para aproveitar dele apenas daqui a muitos anos, a poupança pode ser uma opção. Se você quer algo que dê dinheiro em um prazo menor, porém, deve investir em outra coisa!

O ideal e mais recomendado é que você use a poupança como uma alavanca para novos investimentos, garantindo proteção ao dinheiro e um retorno mais rápido.

Tesouro direto

Nem todo mundo conhece as possibilidades de investir no tesouro direto. Assim como a poupança, esse é um ótimo investimento a longo prazo, mas também pode ser vantajoso em médio e curto período de tempo.

O que é o tesouro direto? Aplicações diretas em títulos públicos. É quase como se você estivesse concedendo um empréstimo ao governo, que logo te retorna o valor com os juros aplicados.

Comparando o tesouro direto a poupança, o tesouro direto é muito melhor! A depender de onde você aplica nos títulos públicos, pode receber um retorno até 50% maior que o de uma poupança.

Além disso, assim como a poupança, você pode fazer aplicações mensais. O valor não é alto, você já pode começar a investir com R$ 30, e colher os frutos dos valores investidos daqui a 5, 10 ou 15 anos.

Bolsa de valores

A bolsa de valores é a opção para quem quer começar a ganhar dinheiro de verdade com seus investimentos!

Nem todo mundo enxerga dessa forma, mas, se você espera altos retornos financeiros e não está satisfeito com os ganhos em poupança ou tesouro direto, precisa superar o medo da bolsa de valores.

Fazendo o investimento certo, você consegue retornos superiores a 40% num espaço de tempo menor. Alguns meses, ou até um ano, pode ser o suficiente para você duplicar o valor investido.

Tanto, que muitas pessoas já vivem exclusivamente de aplicações na bolsa de valores. E fazem muito dinheiro com isso!

Claro, chegar nesse nível não é fácil e exige preparo. Estude e faça cursos. Você quer transformar sua vida financeira? Essa, certamente, é uma de suas melhores saídas!

Que tal começar a economizar dinheiro e investir agora mesmo? Se você gostou das dicas e está pronto para dar seus primeiros passos na transformação da sua vida financeira, acompanhe nossa newsletter e fique sempre por dentro de outros passo-a-passos para te ajudar nesse caminho!

 GRATUITO - Conheça as Corretoras de Valores ideais para Você Investir em Ações e Tesouro Direto

Você receberá um e-mail com os dados de acesso.