Mercado de ações – Por que investir na Bolsa ?

O mercado de ações é visto como algo arriscado. Por isso, os brasileiros costumam reservar o dinheiro para aplicações mais conservadoras, como a poupança. Então, por que investir em ações?

Acontece que, quando você conhece um pouco mais sobre o mercado financeiro sabe que as ações rendem mais. E aprende também formas de investir na bolsa correndo menos riscos. Além disso, você pode saber desde o começo o quanto de risco quer correr.

Por isso, se você já teve essa dúvida, tem que conhecer as regras básicas do mercado financeiro e questões práticas que são respondidas abaixo.

Como investir na bolsa - Curso GRATUITO e online

Você receberá um e-mail com os dados de acesso. Caso não queira mais recebê-los, poderá cancelar o recebimento...

O mercado de ações está mais simples e acessível

O mercado de ações é o meio pelo qual empresas trocam uma parcela de seu patrimônio por investimentos. A parcela da empresa é chamada de ações e quem compra se torna acionista. A empresa ganha dinheiro para investir no que precisa, por exemplo, recursos para crescer comprando maquinário. E, se a empresa tiver lucro, as ações se valorizam e todos saem ganhando.

Em filmes, normalmente o mercado de ações é retratado da forma antiga. As cenas mostram muitas pessoas segurando telefones e gritando na frente dos telões da bolsa de valores. Isso acontecia antigamente, no horário do pregão. Nessa época, a comercialização das ações era feita apenas pessoalmente. O acesso ao mercado financeiro não era burocrático. As informações eram pouco acessíveis. Por isso, apenas profissionais ou pessoas com muito conhecimento se aventuravam pelo mercado acionário.

Hoje em dia a realidade do mercado de ações é totalmente diferente. Qualquer pessoa que tenha algum dinheiro disponível pode abrir uma conta em uma corretora e começar a investir. Dessa forma, ela se torna um “trader”.

Também não é preciso ser especialista no assunto. A internet disponibiliza muitas informações para quem quer conhecer mais sobre ações. Basta procurar qualquer termo que você tem curiosidade para ter opções várias explicações. É só então escolher os melhores dados. Quem tem tempo disponível, pode ainda fazer cursos pessoalmente ou online. Existem materiais nas mais variadas faixas de preço e com boa qualidade para quem quer se aperfeiçoar.

Você pode investir de casa 

Com o avanço da tecnologia, as ferramentas para lidar com ações estão muito mais simples. Qualquer pessoa que tenha uma conta em corretora de valores mobiliários pode investir de casa. Você faz isso por meio do home broker. Ele é o sistema que faz as ordens de compra e venda, com rapidez e segurança.

Você não precisa instalar nenhum programa no computador para começar a comprar e vender ações. O home broker é disponibilizado pela corretora como uma plataforma online. Ou seja, você acessa pelo site na internet. Ao fazer sua conta, você terá um login e senha únicos. Os cuidados de segurança que você deve ter ao usar o home broker são:

  • sempre verificar o “S” após o “HTTP” na barra de endereço do navegador
  • nunca deixar sua senha salva em um computador que não seja o seu

Dá pra investir com pouco dinheiro

Muita gente pensa que é preciso ter muito dinheiro para investir em ações. Mas isso não é verdade. Quando você abre uma conta em uma corretora, provavelmente haverá um consultor disponível para te indicar os investimentos que cabem no seu bolso.

Além dos consultores na corretoras, você pode recorrer também a agentes ou consultores autônomos. Ou, se você prefere fazer os investimentos de forma independente, pode procurar informações em sites confiáveis, como:

Dessa forma, você estará bem informado sobre o preço das ações e saberá quanto pode investir. As ações têm valores muito variados e os preços oscilam. Mas você pode investir valores baixos se escolher uma cota menor de ações. Aliás, a recomendação para quem está começando é sempre essa. Comece a investir quantias baixas, menores do que R$ 1 mil. Quando adquirir experiência, você pode evoluir para transações maiores.

Outra informação importante é quando você vai pagar pelas ações. Elas são pagas por você três dias após a compra. Assim como o pagamento pelas ações que você vende cai na sua conta na corretora após três dias.

Ou seja, se você compra hoje, o valor será cobrado da sua conta em três dias. Nesse período, se você não se desfizer das ações, estará contabilizando os lucros, caso elas tenham se valorizado, por exemplo.

Então, você não precisa ter muito dinheiro na sua conta da corretora. Saiba que precisa ter apenas uma quantia suficiente para cobrir os seus investimentos.

Lembre-se também de considerar que além do próprio preço das ações, você deve pagar taxas operacionais e impostos.

Por que investir em ações se há risco?

Os investimentos em ações apresentam retornos superiores às aplicações em renda fixa no longo prazo. Isso acontece pois as ações envolvem riscos. Eles podem ser controlados, mas nunca são eliminados.

A recompensa por aceitar investir dessa forma é chamada prêmio de risco. O prêmio de risco é a diferença entre o risco que o investidor corre em um investimento seguro, como uma ação, em comparação com a renda fixa. A referência é a renda fixa pois ela é o investimento considerado mais seguro, com menos risco de calote.

Existem ainda as divisões entre tipos de risco que podem afetar as ações:

Risco de mercado: perdas decorrentes de oscilações nos preços e taxas.

Risco de crédito: incerteza em relação ao recebimento do valor contratado, emprestado ou, no caso, a ser pago por quem tomou o investimento.

Risco de liquidez: risco de impossibilidade de receber pelo ativo um volume ou preço “justo” no momento em que precisa se desfazer dele. Por exemplo, liquidez diária é quando você pode vender o ativo em qualquer dia, sem prejuízo no valor. Já quando existe um prazo determinado para a venda, quem vende antes recebe um valor menor.

Risco operacional: risco advindo de falhas de máquinas, processos ou até pessoas, enfim, tudo o que estiver relacionado ao trabalho operacional.

Valorização ou dividendos: Duas formas de ganhar dinheiro com ações

Antes de investir você deve escolher qual a estratégia que irá seguir. Outra resposta para a pergunta “Por que investir em ações?” é que ela permite diversas formas de ganhar dinheiro. Dividindo em duas categorias simples, você pode ganhar com dividendos ou o valor da própria ação. Entenda como cada uma dessas estratégias funciona.

Como investir na bolsa - Curso GRATUITO e online

Você receberá um e-mail com os dados de acesso. Caso não queira mais recebê-los, poderá cancelar o recebimento...

Como ganhar com dividendos

Em primeiro lugar, se quer ganhar com dividendos, você deve ter em mente que irá investir no longo prazo. Por longo prazo entenda cinco anos ou mais. Outro fator que você deve observar é qual a periodicidade para a distribuição de dividendos. Não há uma regra ou um prazo correto a ser seguido. Ele pode ser a cada três meses, seis meses ou até um ano. O que define de quanto em quanto tempo serão distribuídos os lucros é uma decisão da estratégica da companhia.

Como ao adquirir ações com o intuito de ganhar dividendos você está pensando em um relacionamento longo, você deve analisar muito bem as características da empresa. Entre elas, verifique a demanda pelo item produzido e o cenário econômico para o setor em que ela se insere. Até mesmo fatores ambientais podem influenciar no lucro e na distribuição de dividendos de uma empresa.

Como ganhar com a valorização de ações

Ao contrário do que com a estratégia de ganho com dividendos, ganhar com a valorização pode ser no curto prazo. Pode ser até mesmo de um dia para o outro, tática de investimento conhecida como “day-trade”.

Para essa forma de investimento você pode analisar fatores mais imediatos. Dependendo do setor em que a empresa atua, por exemplo, uma notícia veiculada hoje pode alterar o valor das ações. Quer dizer que você pode aproveitar esse momento para comprar e vender a mesma ação. Se quando você comprar ela estiver em baixa, e na venda estiver em alta, você recebe os lucros.

Investimentos no Mercado de Ações podem compor sua reserva de emergência

Existem muitos fatores que podem demandar muito dinheiro de forma imprevista. Se você não tiver uma reserva de emergência o transtorno pode se transformar em uma dívida. Então, você pode se perguntar, por que investir em ações como reserva? O raciocínio é o seguinte:

Muita gente pensa que tem um alívio para imprevistos financeiros no limite para empréstimo bancário ou no limite do cartão de crédito. Acontece que estas formas de financiamento estão entre as mais caras do mercado. Ou seja, se você tiver de se apoiar em qualquer uma delas terá de pagar altos juros depois.

Sabendo disso, você deve considerar ter uma reserva de emergência que tenha liquidez. Assim, você pode transformar os ativos em dinheiro de forma rápida. As ações têm essa característica. Por isso, investir em ações pode ser melhor do que em imóveis ou em uma previdência privada. Um imóvel pode valer milhões, mas quem tem pressa sempre vende por um valor menor. Já a previdência privada pode ser uma ótima forma de investimento de longo prazo. Porém, o valor deve ser retirado apenas na data prevista, e não antes. A vantagem das ações está na possibilidade de venda rápida com valor justo.

Existem táticas para minimizar os riscos no mercado de ações

Uma das formas de minimizar perdas ou o risco de perder muito dinheiro é estabelecer metas. Entram aí os termos “Stop gain” e Stop loss”.

Stop Gain

O Stop Gain ou Stop de ganho é o que garante que o investidor consiga sair do mercado com seu lucro pretendido de forma segura. Dessa forma, você estabelece um ganho máximo como meta e se programa para sair do mercado ao atingi-lo.

Imagine que você comprou ações a R$ 15 e pretende ter um lucro de R$ 5. Então, você coloca como meta de Stop Gain o valor de R$ 20. Assim, quando as ações atingem o valor você sai do mercado.

Stop Loss

Ao investir sempre há a possibilidade de haver alguma perda. O Stop Loss é o limite que você estabelece para as perdas que aceita. Retomando o exemplo anterior:

Você comprou ações por R$ 15 e espera que elas cheguem a valer R$ 20. No entanto, elas podem sofrer variações para menos. Se você aceita que elas caiam até R$ 3, o Stop Loss será em R$ 12. Nesse caso, mesmo que ela fique por R$ 14, você mantém a ação e espera que ela se valorize. Caso ela caia para R$ 12, você sai do mercado.

Os casos são fictícios mas servem para você se imaginar nessas situações. É preciso ter uma certa dose de sangue frio para manter as ações enquanto oscilam em direções opostas ao pretendido. E tudo deve ser feito com cautela e planejamento.

Tanto o Stop Gain quanto o Stop Loss são programados por uma ferramenta online de investimento que você escolhe.

O Circuit Breaker no Mercado de Ações

Outro mecanismo que impede perdas em volumes muito grandes é utilizada pela própria Bolsa, o chamado Circuit Breaker. De acordo com a Bovespa, na ocorrência de movimentos bruscos de mercado, o Circuit Breaker permite o amortecimento e o rebalanceamento das ordens de compra e de venda. Portanto o instrumento é uma “proteção” à volatilidade excessiva em momentos atípicos de mercado. Na Bovespa, houve Circuit Breaker pela última vez em 18 de maio de 2017. Ele foi acionado esse ano, quase dez anos após o acionamento anterior.

Estas são algumas das principais respostas para a pergunta “por que investir em ações?”. Quanto mais se estuda, maior a chance de começar a ter novas dúvidas. Portanto, recomendamos que você sempre estude e se mantenha informado para investir. Uma forma é por meio dos cursos como básico para investir no mercado de ações. Avalie e conte o que achou dos resultados.

Como investir na bolsa - Curso GRATUITO e online

Você receberá um e-mail com os dados de acesso. Caso não queira mais recebê-los, poderá cancelar o recebimento...