O que Warren Buffett pode nos ensinar sobre dividendos, juros sobre capital próprio e remuneração de acionistas

Investir no mercado de ações é uma prática bastante comum para muita gente. E boa parte das pessoas que investe neste mercado acaba tendo como objetivo rentabilizar seu investimento através do recebimento de dividendos, focando na remuneração de acionistas.

Outros, no entanto, preferem investir em ações e ganhar com a valorização de cada uma delas ao longo do tempo.

O megainvestidor norte-americano Warren Buffett, por exemplo, é um daqueles investidores que preferem que os dividendos sejam utilizados em favor do crescimento da companhia. Buffett, inclusive, pode nos ensinar muito sobre remuneração de acionistas.

Antes de saber sobre o que Warren Buffett pode nos ensinar sobre isso, é importante que você entenda como funciona cada uma das formas de remuneração dos investidores – como os dividendos, as bonificações e os juros sobre capital próprio.

Continue a leitura do artigo e aprenda tudo sobre o assunto!

Como investir na bolsa - Curso GRATUITO e online

Você receberá um e-mail com os dados de acesso. Caso não queira mais recebê-los, poderá cancelar o recebimento...

Remuneração de acionistas

Quando o investidor compra ações de determinada empresa, ele se torna sócio da companhia, e também dono de parte do capital da empresa. Isso faz com que ele tenha direito ao recebimento de parte dos lucros gerados ao longo do tempo.

Conheça agora as principais formas de o acionista receber sua parcela dos lucros da empresa na qual investe:

Dividendos

Os dividendos são uma remuneração distribuída aos acionistas de uma empresa, e correspondem a uma parte do lucro apurado em determinado período. Existem empresas que distribuem dividendos trimestralmente, semestralmente ou até mesmo anualmente aos investidores.

No Brasil, a Lei das Sociedades Anônimas prevê a distribuição obrigatória de, no mínimo, 25% do lucro das companhias brasileiras aos seus acionistas. Esta fatia do lucro da empresa pode ser distribuída através de dividendos ou por meio dos juros sobre capital próprio.

Juros sobre capital próprio

Os juros sobre capital próprio (JSCP) é uma outra forma de distribuição dos lucros pelas empresas aos seus acionistas, sócios ou titulares. Diferente dos dividendos – isentos de Imposto de Renda – os juros sobre capital próprio têm desconto de 15% de IR na data do depósito.

Neste caso, os juros sobre capital próprio são contabilizados pela empresa como despesa antes do lucro. Neste caso, a companhia não precisa arcar com os tributos, que são repassados aos acionistas.

A remuneração dos investidores, seja por dividendos ou JSCP, varia de acordo com o estatuto de cada empresa. A escolha da forma de distribuição dos lucros compete à diretoria, conselho ou assembleia das companhias.

Bonificações

Diferente dos dividendos e dos juros sobre capital próprio, bonificação aos acionistas não costuma ser oferecida em dinheiro. Eles normalmente são oferecidos sob forma de novas ações.

Isso acontece quando determinadas companhias bonificam seus acionistas e distribuem a eles novas ações gratuitamente. Quando este é o caso – geralmente em função de um aumento de capital ou incorporação de reservas, é comum que haja um ajuste para baixo no preço das ações.

Esse ajuste ocorre porque esta bonificação resulta em um aumento no número de ações disponíveis daquela empresa, enquanto o valor da companhia permanece o mesmo.

Tributações e Imposto de Renda

Como você já sabe, os dividendos estão isentos de Imposto de Renda. Para declará-lo em sua Declaração de Imposto de Renda basta lançar seus ganhos no item “Rendimentos isentos e não tributáveis”. Este item está localizado na aba “Lucros e dividendos recebidos pelo titular e pelos dependentes”.

Já sobre os juros sobre capital próprio incidem 15% de imposto, que deve ser recolhido. Por isso, o lançamento destes ganhos deve ser realizado na aba “Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva”.

Esta declaração não exige grandes conhecimentos para ser preenchida, e pode ser lançada por você mesmo. Mas atenção: é preciso que você se sinta confortável para isso.

Fique atento apenas ao tipo de remuneração que recebeu de suas ações. Além disso, não deixe de inserir todas as informações corretamente nas abas correspondentes da declaração.

Atenção e conhecimento básico sobre Declaração do IR, em geral, serão suficientes para que você faça sua própria declaração sem a necessidade de recorrer a um profissional.

Ação EX e o preço dos papéis

Uma questão que ainda gera muitas dúvidas em grande parte dos investidores é a questão da “ação EX” – também conhecida como “data-ex” ou “ex-dividendos”.  Se você também tem essa dúvida, entenda agora como esta questão influencia no preço das ações. Saiba também o que acontece com os papéis após a data de pagamento dos dividendos de uma companhia.

Todo o processo começa quando uma empresa anuncia o pagamento de dividendos ou juros sobre capital próprio. Ao anunciar a distribuição dos lucros, ela também divulga uma data futura a partir da qual os seus papéis não terão mais direito a receber aqueles proventos anteriormente divulgados.

Vamos a um exemplo prático:

Imagine que uma companhia anuncie o pagamento de dividendos ou JSCP de R$ 1 por ação. Ela informa que, a partir de 30 de setembro de 2017, a ação passará a ser uma “ação EX “ou “ex-dividendos” – indicando que os dividendos já foram distribuídos.

Isso significa que, a partir daquela data, o preço da ação na abertura do pregão será o valor de fechamento do dia anterior descontado a quantia de R$ 1 – que foi o valor pago em dividendos aos acionistas.

Se a ação era negociada a R$ 10 no dia anterior, portanto, ela abrirá a sessão do dia subseqüente valendo R$ 9. O patrimônio dos investidores, no entanto, permanece intacto.

Se um acionista possuía, no dia 29 de setembro, 100 ações a R$ 10 cada – em um total de R$ 1.000, por exemplo, no dia seguinte ele continuará tendo R$ 1.000 em ativos. Porém, serão R$ 900 em ações e R$ 100 em recebíveis, pelos dividendos distribuídos.

Por isso, como investidor, é sempre importante ficar atento à data ex-dividendo – data na qual os dividendos serão distribuídos.

Desta maneira você pode definir a melhor data para compra e venda dos seus papéis. Assim você não corre risco de se desfazer de uma ação antes de receber sua remuneração como acionista.

Bastante interessante, não é mesmo?

Se você deseja obter rentabilidade com dividendos, no entanto, é fundamental saber escolher as melhores ações. Se atente àquelas que irão gerar os melhores lucros ao longo do tempo.

Neste caso, você pode recorrer a um cálculo simples, que vai lhe ajudar a tomar as melhores decisões enquanto investidor.

Aprenda agora a fazer este cálculo e nunca mais erre na hora de decidir sobre seus investimentos. Aprenda também a identificar a quantia da qual você tem direito sobre os dividendos distribuídos.

Calculando o percentual de dividendos a receber

O cálculo do percentual da remuneração dos dividendos é feito pela medida Dividend Yield (DY. Esta medida varia de acordo com o preço de cada ação que o investidor possui – ou que tem interesse em adquirir.

Para se calcular o DY deve-se dividir o valor do dividendo pela cotação da ação. Por exemplo, se uma empresa vai distribuir um dividendo de R$0,10 e a cotação da ação é de R$ 10, então será preciso fazer a seguinte divisão: DY= 0,10/10 = 0,01 – ou seja, 1%.

Nesta situação, portanto, o investidor teria direito a 1% do pagamento dos dividendos por ação em determinado exercício. Quanto maior esta porcentagem, melhor o retorno sobre o seu investimento. Fácil, não é?

Payout

Você também deve se atentar ao Divident Payout, que é um indicador para medir a política de dividendos de uma determinada companhia. O Payout nada mais é que o percentual dos lucros que uma empresa distribui aos investidores através do pagamento de dividendos.

Se uma empresa possui um Payout de 50%, por exemplo, significa que esta companhia distribui aos seus acionistas uma porcentagem de 50% do seu lucro sob forma de dividendos em determinado período.

Calculando o Payout

O cálculo do Payout pode ser feito através da divisão do valor de dividendos distribuído ao longo de 12 meses pela empresa pelo valor do lucro da companhia no mesmo período. Trata-se de um cálculo bastante simples, mas que pode ser bastante útil para os seus investimentos – principalmente quando falamos de ações.

Mas, afinal de contas, o que podemos aprender com Warren Buffett sobre dividendos?

O megainvestidor Warren Buffett é referência mundial em se tratando de mercado de ações. Isso porque um dos homens mais ricos do mundo é também um dos maiores investidores de empresas de todos os tempos.

Warren Buffet também é  especialista em encontrar excelentes oportunidades no mercado, nos mais diferentes setores.

Hábitos de um megainvestidor

Conheça algumas práticas de Buffett e de sua empresa – a Berkshire Hathaway. Eles podem nos ensinar a aproveitar boas oportunidades e a fazer boas escolhas na hora de investir em uma companhia.

Paciência é fundamental

Na hora de escolher em quais empresas investir na Bolsa, procure sempre manter a calma e pratique a paciência. Não se precipite ou tenha pressa de tomar decisões. Uma escolha bem feita – independente do tempo que você demore para fazê-la – sempre poderá resultar em ganhos interessantes no futuro.

Além disso, um investidor paciente tem maiores chances de encontrar oportunidades no mercado. Você pode, por exemplo, aproveitar a chance de adquirir ações em um determinado período de baixa nos valores dos papéis.

Deixe as emoções de lado

Uma outra característica de Buffett – e de outros investidores bem sucedidos – é não tomar qualquer decisão de modo emocional. Seja racional, pense e analise antes de tomar qualquer atitude no ambiente dos investimentos.

Analise as companhias

Warren Buffett também tem o hábito de analisar uma empresa cuidadosamente antes de tornar-se acionista. Verifique o balanço da companhia, suas receitas, fluxo de caixa e os lucros que ela obteve nos últimos anos.

Analisar o mercado no qual a companhia se encontra também costuma ser bastante útil para os investidores. Uma breve análise pode lhe mostrar se há ou não espaço para crescimento da empresa no setor de atuação.

Simplifique

Na hora de investir, simplifique. Esta prática – muito utilizada por Buffett – é indicada a todos os investidores, mas, principalmente, àqueles que não têm tanta experiência no mercado de ações.

Isso porque negócios mais simples, que fazem parte de setores já solidificados, tendem a sofrer menos com mudanças bruscas. Esta situação tende a aumentar as chances do negócio dar certo.

Como investir na bolsa - Curso GRATUITO e online

Você receberá um e-mail com os dados de acesso. Caso não queira mais recebê-los, poderá cancelar o recebimento...

Warren Buffett e os dividendos

Como investidor e também como empresário, Warren Buffett não é muito fã de dividendos.

Ao invés de distribuir a maior parte dos lucros de sua empresa com os acionistas, a estratégia do megainvestidor é outra. Ele busca reinvestir e adquirir novas empresas.

Achou estranho? Pois é, mas essa preferência de Buffett por não pagar dividendos tem lógica:

Ele prefere reinvestir parte do dinheiro em caixa para gerar ainda mais crescimento para a companhia. Ele acredita que a distribuição dos lucros pode, de certa forma, impactar negativamente no crescimento da empresa.

E é por conta disso que Buffett só costuma distribuir dividendos de sua empresa quando não é possível usar o capital disponível em caixa para expandir os negócios.

Como investidor, ele segue a mesma linha de pensamento. Para ele, se uma empresa distribui grandes quantias de dividendos, ela provavelmente não terá capital suficiente para investir em seu próprio crescimento. E ele, enquanto acionista e “sócio” da companhia, seria prejudicado neste caso.

Vale a pena investir em empresas que pagam dividendos?

Na hora de investir, leve em consideração seus objetivos em relação aos seus investimentos. Se sua meta é ganhar dinheiro com dividendos, procure aprender a identificar as melhores oportunidades para investimentos. Encontre e escolha empresas que melhor remuneram seus acionistas.

Não deixe também de manter uma carteira diversificada, composta por ações e por outros investimentos, quando possível.

Agora, se sua meta é investir em companhias que têm como objetivo o crescimento corporativo em primeiro lugar, talvez não seja uma boa escolha apostar em empresas conhecidas por pagar bons dividendos.

Independente dos seus objetivos, seguir os hábitos de grandes investidores pode ser um passo importante a ser dado. Principalmente por quem deseja ter sucesso no mercado de ações e lucrar com seus investimentos!

Agora que você já sabe tudo sobre remuneração de acionistas, dividendos e juros sobre capital, que tal garantir sua vaga no curso gratuito de Bolsa de Valores, disponível aqui no site?

Não perca mais tempo! Cadastre-se agora mesmo e aprenda a investir como um profissional na Bolsa de Valores!